« Home | Duzentas pessoas "contra o lóbi gay" » | Petição a favor do casamento de homossexuais » | Associação Ilga abre petição pelos casamentos entr... » | Abaixo-assinado contra manifestação 'antigay' » | Associações contra protesto de Extrema-direita » | Governo Civil de Lisboa autoriza manifestação cont... » | Consenso nos apoios à comunidade homossexual » | Schwarzenegger impede uniões gay » | Que bela ideia! » | Estrangeiros podem casar » 

domingo, setembro 18, 2005 

Extrema-direita acusa Governo de ceder ao "lobby gay"


Presidente do partido diz que Governo está a "abafar" envolvidos no caso da Casa Pia

Por Ângela Marques

O Partido Nacional Renovador (PNR) acusou ontem o Governo de estar a "abafar" os nomes envolvidos no escândalo da Casa Pia, cedendo ao "lobby gay". Segundo o presidente do partido, José Pinto Coelho, "está a crescer em Portugal um lobby homossexual organizado com uma agenda política concreta". A acusação foi feita durante uma manifestação "contra a adopção de crianças por casais homossexuais, contra a pedofilia e contra o lobby gay", que reuniu cerca de 200 pessoas no alto do Parque Eduardo VII, em Lisboa.

Depois de, na convocatória para o protesto, o PNR ter acusado o Governo de "estar a preparar terreno para ceder às pressões do lobby gay", o presidente do partido recuperou o caso de pedofilia para acusar o "sistema" de estar a "abafar os nomes envolvidos no escândalo", fazendo com que "os Bibis do sistema paguem por culpas alheias". Acrescentou "A opinião pública está com o PNR, a opinião publicada é que está com a extrema-esquerda, que é levada ao colo e dá guarida a 'maricas'".

José Pinto Coelho não poupou os partidos políticos de direita, acusando "a direitazinha medíocre" de "diabolizar quem defende Portugal e os portugueses". A ideia foi sublinhada pelo secretário-geral do PNR, Humberto Oliveira, que contou ter recebido "telefonemas de pessoas do CDS e da Nova Democracia dizendo que só não apareciam devido ao receio de serem conotados com movimentos de extrema-direita".

Apoiada pelo movimento de extrema-direita Frente Nacional, a manifestação foi promovida como um protesto contra a adopção por casais homossexuais, a pedofilia e o "lobby gay", aproveitando para recolher assinaturas contra o programa de televisão Esquadrão G - que, segundo uma das responsáveis pela iniciativa, Maria Lopes, estimula o "comportamento homossexual". "Não somos contra os homossexuais mas contra o homossexualismo ideológico que impõe comportamentos desviantes à sociedade como se fossem normais", sublinhou José Pinto Coelho.

Entre palavras de ordem como "Homossexual, imoral, nunca nunca em Portugal!", os manifestantes - maioritariamante homens jovens, muitos vestidos de negro e de cabeça rapada, mas também mulheres jovens e crianças - desceram a Rua Castilho e a Avenida António Augusto de Aguiar até ao Marquês de Pombal seguidos por alguns olhares populares.

Entre estes esteve o de Fernando Ferreira, de 46 anos, inspector de alfândega, que aplaudiu a marcha do interior do seu automóvel, estrategicamente estacionado no alto do parque. "A família tem de voltar a ser família", considera. Fernando não ouviu o discurso do presidente do PNR, mas repetiu a sua convicção "Não existe uma família tradicional, isso foi um conceito inventado para justificar as famílias alternativas. Família só há uma, a natural."

Convictos de que "os manifestantes não eram mais de 110", Susana e Inês, de 16 anos, e Alexandre, de 18, descrevem o protesto como um acto "ridículo". Por um motivo "A convocatória era ofensiva, dizia que a manifestação era contra gays, lésbicas e outras anormalidades." Apesar de não fazerem parte de uma associação de defesa dos direitos dos homossexuais, os três colaboraram com a Rede Ex-Aequo na recolha de assinaturas para impedir a concretização do protesto. "Conseguimos mais assinaturas do que pessoas aqui", diz Inês.

Apanhados de surpresa, Maria Lucinda, de 45 anos, e Eduardo Assunção, de 48, assistiram "impressionados" ao desfile. "Isto não faz sentido nenhum, as pessoas assumem-se ou não se assumem, ninguém tem nada a ver com isso", afirma Lucinda. Apesar de ser contra a adopção de crianças por casais homossexuais, a técnica oficial de contas não concorda com "este tipo de protestos".

Já Gustavo Moreira, de 15 anos, membro da Juventude Nacionalista, não podia concordar mais com a manifestação. "É preciso mostrar desagrado por esta perversão de valores, esta aceitação da homossexualidade como um comportamento normal", diz. Para o estudante, a televisão portuguesa é responsável pela promoção de um comportamento que, a par da pedofilia, "é um crime sexual".

Publicado no Diário de Notícias.

Objectivo

  • O objectivo deste blog é recolher toda a informação relativa ao casamento entre pessoas do mesmo sexo que vá sendo publicada nos principais meios de comunicação portugueses. E a informação publicada no estrangeiro sobre Portugal. Além de textos informativos também serão recolhidos textos de opinião positiva ao casamento homossexual. Este blog não tem qualquer finalidade comercial, no entanto se alguma entidade se sentir lesada ou não permitir a utilização de algum conteúdo constante neste sítio comunique-nos, por favor, através do nosso e-mail, que também deve ser usado para nos enviar qualquer sugestão, dúvida ou comentário. Obrigado.
Powered by Blogger
and Blogger Templates