« Home | JSD de Leiria quer casamento entre homossexuais na... » | Maioria aprova casamentos entre pessoas do mesmo s... » | Cardeal indigna homossexuais » | Edil não casa gays » | Itália: Ministro proíbe casamentos 'gay' » | Enquadramento legal que proíbe é ridículo » | Casamento gay só em Badajoz » | ILGA exige igualdade » | Bispos contra casamentos 'gay' em Espanha » | Homossexuais portugueses sentem-se cidadãos de seg... » 

segunda-feira, maio 02, 2005 

Irão os homossexuais casar-se?

pablo_emilio.jpg
Bar em chueca. Pablo e Emilio ainda não se decidiram pelo casamento

Pablo Pantin e Emilio Jarrin são homossexuais assumidos. Publicamente assumidos. De copo na mão, e um ar levemente descontraído, Pablo e Emilio formam um dos muitos casais que aproveitam o fim da tarde madrilena para ir até ao bairro de Chueca, uma espécie de versão madrilena do Bairro Alto lisboeta, onde os bares alternam com restaurantes, lojas de roupa e de design e comércio tradicional.

Pablo é jornalista em Ferrol, na Galiza, e Emilio, que já viveu em Lisboa, trabalha como arquitecto, em Madrid. Apesar da distância que os separa, mantêm uma relação estável há quase uma década, o que parece ser uma eternidade para quem anda na casa dos 30 e poucos anos.

Numa conversa muitas vezes interrompida pelos amigos e amigas que vão chegando, numa bodega que parece ser apenas frequentada por grupos de gays e lésbicas, Pablo e Emilio não escondem, claro, a satisfação pela legalização dos casamentos homossexuais.

"É uma questão de direito", sublinha Pablo, enquanto Emilio se afasta para saudar mais uns amigos. "Já não os via há uns tempos", desculpa-se. Pouco depois é a vez de Emilio ir cumprimentá-los, e Pablo regressa, assumindo-se um pouco como uma espécie de anfitrião da casa, num momento em que à nossa volta já há quem não consiga esconder as suas afeições. Sem que ninguém se sinta especialmente incomodado.

Durante uns minutos, discutimos o impacto da lei e a reacção da sociedade espanhola. Pablo e Emilio parecem ter pontos de vista divergentes sobre a matéria. Tudo por causa da expressão "matrimónio", que segundo Pablo deriva de um conceito com uma tremenda carga religiosa. "Se lhe chamassem outra coisa já ninguém se importaria." Horas antes, o mesmo tema tinha preenchido já grande parte das reacções de duas heterossexuais madrilenas Pilar Arribas e Laura Berdejo, uma mãe e uma filha, com perspectivas muito diferentes sobre esta matéria.

Dando razão a Pablo, Pilar pouco se importa com os casamentos homossexuais. Com uma única excepção que lhes chamem "matrimónios", um termo que Laura ajuda a descodificar. "O matrimónio representa para nós, espanhóis, e em especial para uma certa geração, uma espécie de sacramento religioso. Daí que isso choque algumas pessoas."

Pouco importa. Casamento ou matrimónio, o facto é que estas relações passarão a ser legais.

Mais complicado, bem mais complicado, é saber o que farão Pablo e Emilio. Irão casar-se?

Aproveitando a ausência momentânea de Pablo, Emilio responde, matreiro "Se me pedirem..." Quando a situação se inverte, é a vez de Pablo: "Não sei. Para mim, o casamento não me diz nada. Não preciso de papéis para ser feliz."

Publicado no Diário de Notícias.

Objectivo

  • O objectivo deste blog é recolher toda a informação relativa ao casamento entre pessoas do mesmo sexo que vá sendo publicada nos principais meios de comunicação portugueses. E a informação publicada no estrangeiro sobre Portugal. Além de textos informativos também serão recolhidos textos de opinião positiva ao casamento homossexual. Este blog não tem qualquer finalidade comercial, no entanto se alguma entidade se sentir lesada ou não permitir a utilização de algum conteúdo constante neste sítio comunique-nos, por favor, através do nosso e-mail, que também deve ser usado para nos enviar qualquer sugestão, dúvida ou comentário. Obrigado.
Powered by Blogger
and Blogger Templates