« Home | Cartoon de Bandeira » | Em defesa dos 'bons costumes' » | Igreja critica política social de Madrid » | Sócrates contra posições de pároco » | Em defesa dos referendos para destituir políticos » | Perguntas para Uma Legislatura: Partidos com abert... » | Estado social e casamento 'gay' » | Governo do Canadá Quer Legalizar Casamento Homosse... » | Casamento de homossexuais » | «Defesa de valores de direita ou pura chicana polí... » 

quarta-feira, fevereiro 09, 2005 

Igreja aperta cerco à anulação de uniões

Por Manuela Paixão, correspondente em Roma

» Alegar impotência sexual para anular casamento impedirá matrimónio futuro


AP-Plinio Lepri - Vaticano quer contrabalançar ideias liberais de casamento

Os bispos diocesanos podem interditar casamentos futuros se as razões que invalidaram o matrimónio se mantiverem numa futura união. É o caso da impotência sexual. A medida consta do documento canónico Instrução - Dignitas Connubii (Dignidade do Matrimónio), ontem apresentado no Vaticano. O objectivo é criar novas normas, mais apertadas, para a anulação do casamento religioso, evitando que os fiéis o transformem numa espécie de divórcio com consentimento da Igreja.

Em estudo desde 1996, o documento de 219 páginas - em latim e com tradução em italiano - integra 308 artigos com as novas normas para os tribunais eclesiásticos sobre os processos de anulação de casamentos. Segundo o Anuário Estatístico da Igreja de 2002, em 56 236 processos, 46 092 foram anulados, 4649 não apresentaram provas suficientes e 2601 foram retirados.

"Na sociedade actual, até os processos canónicos para a anulação de casamentos correm o risco de poderem ser interpretados como vias alternativas para um divórcio aprovado pela Igreja", declarou o cardeal Julian Herraez, durante a apresentação no Vaticano do Dignitas Connubii. Jurisconsultor da Opus Dei, designado por João Paulo II presidente do Pontifício Conselho para a interpretação dos textos canónicos, o cardeal diz que este documento "exige maior rigor ao mundo" - mais tolerante com a legislação a favor do divórcio, do reconhecimento de uniões de facto e de matrimónios gay.

A maioria hoje crê que os tribunais civis poderiam resolver estes casos de um modo mais satisfatório, "mas a Igreja continua a ter um papel fundamental perante a confusão sobre a identidade do casamento e da família em algumas legislações civis - que não só facilitam o divórcio como põem em dúvida a heterossexualidade como aspecto essencial da união", declarou ainda monsenhor Domenico Sorrentino, secretário da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos.

"As normas apresentadas devem ser escrupulosamente observadas nos tribunais eclesiásticos", já que submeter a validade ou anulação de um matrimónio como se fosse um verdadeiro processo civil tem provocado muitas críticas à Igreja, acrescentou.

Os 800 tribunais diocesanos e interdiocesanos abarrotam com pedidos. A Instrução foi criada para servir de guia para os tribunais eclesiásticos, encarregados pelo Tribunal da Sacra Rota para facilitar o processo de anulação.

Publicado no Diário de Notícias.

Objectivo

  • O objectivo deste blog é recolher toda a informação relativa ao casamento entre pessoas do mesmo sexo que vá sendo publicada nos principais meios de comunicação portugueses. E a informação publicada no estrangeiro sobre Portugal. Além de textos informativos também serão recolhidos textos de opinião positiva ao casamento homossexual. Este blog não tem qualquer finalidade comercial, no entanto se alguma entidade se sentir lesada ou não permitir a utilização de algum conteúdo constante neste sítio comunique-nos, por favor, através do nosso e-mail, que também deve ser usado para nos enviar qualquer sugestão, dúvida ou comentário. Obrigado.
Powered by Blogger
and Blogger Templates